Chevrolet - Chevette SR

Preto  |  1981/1981  | 

Vendido!

informações

  • Marca: Chevrolet
  • Ano: 1981/1981
  • Cor: Preto
  • Interior: Preto e Branco
  • Valor: Vendido!

especificações

  • Motor: 1600
  • Câmbio: Manual
  • Tração: Traseira
  • Potência: 76cv
  • Combustível: Gasolina
  • Portas: 2
  • Ocupantes: 5
  • Rodas: 13
  • Bancos: Em tecido Xadrez
  • País de Origem: Brasil

CHEVETTE SR 1.6 1981!

O mundo da publicidade é repleto de magia: no comercial da TV, o Chevette saía de São Paulo pela Via Anchieta a 120 km/h, percorrendo as curvas da Estrada de Santos em total segurança. Na Baixada Santista, ele voava baixo pelos trechos de terra da Rio-Santos. Era uma meia-verdade: pequeno, leve e com suspensão firme, o Chevrolet era um dos carros mais estáveis da década de 70. Tão estável que faltava um motor à altura do conjunto. Os proprietários ficavam restritos à anemia do 1.4 de 69 cv ou à decepção da versão esportiva GP, com seus parcos 72 cv.

Foi assim que os Chevette se tornaram figurinha fácil nas oficinas de preparação. Valia tudo para extrair mais potência, como carburadores duplos, pistões de cabeça plana, aumento de cilindrada e até turbo. A GM se fazia de rogada: aos olhos dela o Chevette era um carrinho econômico e racional.

Rumores de uma versão mais potente surgiram no Salão do Automóvel de 1978. A estrela no estande da GM era o Chevette S/R, estudo do departamento de estilo que trazia pintura degradê, apêndices aerodinâmicos e instrumentação completa. Sob o capô, um novo motor 1.6.A ideia ficou só no protótipo, até ser retomada em 1980, após o sucesso do modelo hatch. A GM aproveitou itens do Chevette americano e lançou o S/R (Sport Racing) já como linha 1981. Era caracterizado por spoiler, faróis de neblina, faixas e aerofólio, mas a principal novidade era o motor 1.6. Os 80 cv não faziam milagres, mas já empurravam melhor seus 898 kg: 0 a 100 km/h em 16,55 segundos (3 mais rápido que o comum) e máxima de 148,76 km/h (10 km/h mais veloz). Ainda perdia para o VW Passat TS, mas podia disputar posições com Fiat 147 Rallye e Ford Corcel II GT.

Mas nenhum desses esportivos oferecia os prazeres da tração traseira do Chevette. A direção rápida e precisa do S/R não sofria a influência do torque aplicado sobre as rodas dianteiras e casava perfeitamente com seu comportamento neutro, resultado das barras estabilizadoras de maior diâmetro.

Ruim mesmo era a ergonomia: o volante era inclinado à esquerda, assim como os pedais, que não permitiam o punta-tacco. O câmbio sustentava seus predicados, com os engates secos e precisos de sempre. Ficou devendo apenas a quinta marcha, essencial para diminuir o consumo. Mas para ajudar havia um vacuômetro montado no painel, entre o velocímetro e o conta-giros. O console central trazia o marcador de combustível, relógio, termômetro e voltímetro. Porém nem sinal do manômetro de pressão do óleo. O interior era arrematado pelo estofamento xadrez e pelo revestimento preto do teto. Havia duas combinações de cores: Preto Formal com detalhes em prata ou Prata Diamantina com detalhes em preto fosco, como este exemplar das fotos, que integra o acervo da oficina de restauração Seta Clássicos, de São Paulo. As rodas de liga leve eram opcionais.

Na essência, o S/R era mais um esportivo 2+2: acomodava bem dois adultos, mas o banco traseiro era bom apenas para crianças. O raso porta-malas de apenas 254 litros ratificava a vocação nervosa, que durou apenas dois anos. Reestilizado em 1983, o Chevette manteve o motor de 1,6 litro, mas abriu mão da versão esportiva com a chegada do moderno Monza, que logo teria seu próprio S/R.

TESTE QUATRO RODAS DEZEMBRO DE 1980

e aí, gostou?

então entra em contato com a gente!

Preencha este breve formulário e, o quanto antes, entraremos em contato.

+55 54 3027.7700 viabella@viabella.com.br MANDAR UM WHATSAPP
LIGAMOS PARA VOCÊ

Insira seus dados que entramos em contato com você.

veículos para comparação (0)

abrir
fechar